Moderadores: Casimira Flor, Nuno Silva

 Cada Comunidade  poderá dispor de:

-          Um coordenador, que mobilize o grupo, o oriente, lhe permita encontrar a direcção certa. O coordenador deve ser capaz de identificar a oportunidade do grupo abraçar novos desafios, alargar o seu enfoque e incorporar novas perspectivas.  O coordenador deve ser  reconhecido pelos restantes membros da Comunidade e a sua rotação é possível e desejável.

-          Um “facilitador de processo”, com fortes competências pessoais e relacionais,  que assegure a participação de todos nos debates, questione os menos participativos, mantenha vivo o interesse dos vários elementos da rede, facilite a interacção  e a dinâmica do grupo.

-          Um “animador de conteúdos”, com fortes competências técnicas no domínio em causa, é responsável pelo enfoque nas questões técnicas e pela qualidade dos conteúdos do debate; este animador deve estabelecer o “corpo” de conhecimento comum  que permite trabalhar em conjunto e concentrar as energias do grupo em temas cada vez mais avançados; deve elaborar sínteses dos resultados das reuniões, sistematiza as soluções a que se chegou (para que o debate não se repita) e facilita a sua incorporação por terceiros.

 

Estas duas últimas figuras poderão coexistir numa única pessoa.

 

Casimira Flor 14/11/2012
 

 

Os três elementos que estruturam as “Comunidades de Prática”:

 

·         Domínio – é o tema de enfoque da comunidade, o seu campo de interesse, o que confere identidade aos seus membros

·         Comunidade – é o que cria o tecido social da aprendizagem, são as relações que se estabelecem entre as pessoas do grupo e que encorajam a partilha de ideias.  Uma comunidade forte tem subjacente o respeito e a confiança mútuos.

·         Prática – são os referenciais, as ferramentas, a informação, as ideias, as boas práticas, os produtos, as narrativas que a comunidade vai partilhar.   É o conhecimento específico que a comunidade desenvolve, partilha, acumula e dissemina.

 

O que são “Comunidades de Prática”

São grupos de pessoas que têm preocupações e problemas comuns e que voluntariamente decidem partilhar as suas experiências e conhecimento, num processo dinâmico de interacção e aprendizagem contínua e de descoberta de novas soluções para os seus problemas.

É uma “estrutura social” que assume a responsabilidade de desenvolver e partilhar conhecimento.

 

Casimira Flor 14/11/2012